Príncipe Real

Monday, September 26, 2016SilverTree
lisboa
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
lisboa
Lisboa | Agosto 2010

Quinze Dias no Japão, de João Bénard da Costa (1979)

Friday, September 16, 2016SilverTree
"Mas porque, precisamente, estas platónicas noções - as de modelo e cópia - se não inserem na tradição nipónica em que tudo é uma e outra coisa. (...) Este espírito, obediente a um princípio constante na cultura japonesa, tem porventura a sua mais genial expressão no santuário xintoísta de Isé. Pode dizer-se que ele é a mais antiga estrutura do Japão (remonta ao século I a. C.) e a mais recente, pois a que lá vemos foi edificada em 1973. Como? Adiantando sobre o que direi de Isé, no último desta série de artigos, observarei que, ao longo destes quase dois mil anos, o santuário foi invariavelmente destruído de 20 em 20 anos, para que, em face do templo demolido, se reconstruísse um outro, idêntico e imutável. Por forma que seja impossível, pelos nossos critérios historicistas, afirmar se Isé tem seis anos ou dois mil. Como é impossível dizer se o Palácio Imperial de Quioto tem 100 ou 1200 anos, ou se o Pavilhão de Ouro tem 20 ou 600."
"Tudo coexiste em camadas, como parece que sucede, para as eras mais remotas, nos estratos descobertos pelas escavações dos arqueólogos. Só que as camadas se não sobrepõem: entrelaçam-se."


Edição d'O Independente, de uma das típicas colecções de "livros de Verão" dos jornais. Infelizmente tem tantas gralhas e uma edição tão pouco cuidada que chega a dificultar a leitura. Só que nada disso anula o prazer que é ler acerca de um país tão diferente e que ainda hoje nos causa, a nós ocidentais, tantas perplexidades (imagine-se em 1979), num conjunto de textos de temas bem escolhidos, tratados com cuidado e propósito, por uma voz atenta, sensível, culta, de pensamento profundo e límpido como me pareceu ser a de João Bernárd da Costa.

A Memória de Shakespeare e Nove Ensaios Dantescos

Wednesday, September 14, 2016SilverTree



" A memória do homem não é uma soma; é uma desordem de possibilidades indefinidas."

"De Quincey afirma que o cérebro do homem é um palimpsesto. Cada nova escrita cobre a escrita anterior e é coberta pela que se segue, mas a memória todo-poderosa pode exumar qualquer imprecisão, por mais momentânea que tenha sido, se lhe derem o estímulo suficiente."

A Memória de Shakespeare, Jorge Luis Borge

Entends, ma chère, entends la douce Nuit qui marche

Tuesday, September 13, 2016SilverTree
 RECUEILLEMENT

Sois sage, ô ma Douleur, et tiens-toi plus tranquille.
Tu réclamais le Soir; il descend; le voici:
Une atmosphère obscure enveloppe la ville,
Aux uns portant la paix, aux autres le souci.

Pendant que des mortels la multitude vile,
Sous le fouet du Plaisir, ce bourreau sans merci,
Va cueillir des remords dans la fête servile,
Ma Douleur, donne-moi la main; viens par ici,

Loin d'eux. Vois se pencher les défuntes Années,
Sur les balcons du ciel, en robes surannées;
Surgir du fond des eaux le Regret souriant;

Le soleil moribond s'endormir sous une arche,
Et, comme un long linceul traînant à l'Orient,
Entends, ma chère, entends la douce Nuit qui marche.


Charles Baudelaire

resumo temporário de Maria Gabriela Llansol

Tuesday, September 13, 2016SilverTree
Os Cantores de Leitura: um pouco fechado na sua lógica interna, que é bastante hermética, mas bom.

Um Arco Singular (Livro de Horas II): francamente bom. Eu tenho um fascínio grande por diários de escritores, e aqui a lógica interna de que falei antes torna-se mais arejada; beneficia ao ser posta no contexto do quotidiano da escritora, da sua vida interior, e acompanhada no seu desenvolvimento e evolução, ganha sentido e beleza.

Tradução de Les Fleurs du Mal, de Baudelaire: péssima. É um problema difícil e pertinente, o da tradução da poesia, mas nada justifica a total destruição do ritmo e disposição dos poemas originais. Como poesia original da autora, baseada na obra, poderá ter os seus méritos, mas enquanto tradução é muito má.

Foglio d'inverno

Friday, September 2, 2016SilverTree
O doge não me recebeu na grande praça
estava então em combate
num porto longínquo do oriente
que depois se perdeu

Senhor de mim aluguei um quarto
num hotel desconhecido
passei muitos dias
sem falar a ninguém
era uma sombra
e invadia a altas horas
as ruas estreitas do canal

Também me acontecia
adormecer numa gôndola
e em sonhos chegar a lugares
que depois incessantemente buscava
na laguna

Nesse inverno Leonardo
pintava com sucesso
na academia
mas não o procurei

José Tolentino Mendonça

Setembro

Friday, September 2, 2016SilverTree

Popular Posts

Contact Form